sábado, 30 de março de 2013

A ARTE REALISTA


REALISMO

O termo Realismo é utilizado na História da Arte para designar representações objetivas, sendo utilizado como sinônimo de naturalismo. A palavra realismo designa uma maneira de agir, de interpretar a realidade. Esse comportamento caracteriza-se pela objetividade, por uma atitude racional das coisas pode ocorrer em qualquer tempo da história.

França, Século XIX. Surge um movimento artístico chamado Realismo, Este pregava o fim dos temas ligados ao passado (cenas heroicas ou belezas idealizadas, como no romantismo. Nas tradições de Grécia e Roma) ou representações religiosas em nome de uma arte centrada na representação do homem da época, em temas sociais e ligados à experiência concreta, a inspiração na razão e na ciência, além da referência à vida e aos costumes das classes média e baixa.  
Os Realistas pintavam as cenas da vida cotidiana e flagrantes populares, impregnado das ideias socialistas da época, Representava aquilo que estava diante dos seus olhos, cenas do cotidiano popular, Essa é a característica típica do realismo.

Um dos primeiros pintores considerados realistas é Jean-Baptiste Camille Corot (1796 - 1875) que, com sua pintura de paisagens provocou a admiração de artistas posteriores como Cézanne. 



Jean-Baptiste Camille Corot  foi um dos pioneiros a considerar os desenhos que realizava ao ar livre como obras acabadas, que não necessitavam dos estúdios.



 O quadro é retratado sem ornamentos, Não há seres imaginários, mitológicos ou fantásticos. Apenas a beleza natural da natureza.

Jean-François Millet (1814-1875),
Sensível observador da vida campestre, criou uma obra realista na qual o principal elemento é a ligação atávica do Início com a terra. Foi educado num meio de profunda religiosidade e respeito pela natureza. Trabalhou na lavoura desde muito cedo. Seus numerosos desenhos de paisagens influenciaram, mais tarde, Pissarro e Van Gogh. 

As Respigadeiras- 1857  84x111cm
 A pintura realista começou a se manifestar no tratamento dado à paisagem, que trocou a exaltação romântica e se atendo à reprodução desapaixonada e neutra. A passagem do romantismo para o realismo expressa uma tentativa de romper com as concepções do ideal de beleza da época. A arte realista passa a ser um meio para denunciar uma ordem social que considerava injusta; a arte manifesta um protesto em favor dos oprimidos.


The Angelus 1857 – 55,5x66cm


Provavelmente o artista presenciou a cena, algo que os pintores realistas costumavam fazer. Eles iam ao o local que pretendiam retratar, faziam esboços e depois retocavam os desenhos em seus ateliês.
A representação realista, quando comparada a uma pintura romântica, não apresenta fortes expressões faciais; há preocupação com a exatidão do desenho e uma preocupação excessiva com o acabamento do quadro.
A maior expressão do Realismo foi o francês Gustave Courbet.( 1819-1877). Sua pintura é dotada de um sentimento de vitalidade natural ao abordar cenas do cotidiano, É o que provam suas telas abaixo.  

Mulheres Peneirando Trigo- 131 x 167 cm

Praia de Normandia 1875 - 61,3 X 90.2 cm





A pintura, dizia Courbet, é uma arte essencialmente objetiva e consiste na representação das coisas reais e existentes. Um motivo abstrato, invisível, não pertence ao domínio da pintura. A imaginação na arte consiste em saber achar a expressão completa de uma coisa existente, jamais na sugestão ou criação da mesma. 
Os Realistas pintavam diferente dos Românticos e dos neoclássicos: pintavam como se tivessem documentando, sem que suas pinturas fossem fiéis, exatas, verdadeiras fotografias da realidade, mesmo porque o Realista era bastante sintético, eliminando o que lhe parecia supérfluo e inexpressivo. Portanto ser Realista não era ser exato, mas verdadeiro.
  
fonte:http://www.historiadaarte.com.br
http://taislc.blogspot.com.br
http://urs.bira.nom.br







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário